Descaso com a Saúde gera genocídio

Assistindo a alguns canais de TV aberta nesses últimos dias, percebi que a violência mostrada é tanta que só falta escorrer sangue pela tela do televisor. Isso me fez lembrar o póstumo jornal Notícias Populares. Diziam sobre ele: “É só torcer que sai sangue”.
Diante dessas e de outras notícias, de telejornais menos exagerados, percebi um outro problema brasileiro muito grave: a quantidade de mortes causadas por doenças.
Segundo o portal Terra, doenças cerebrovasculares matam 100 mil pessoas por ano e têm índices crescentes. Só as quatro primeiras, em uma lista de 20 doenças, matam cerca de 300 mil.
Melhorar a Educação e a Saúde permitirá reduzir esses índices. Com boa base escolar e mais esclarecimento através de campanhas, creio que a população terá mais cuidado com a própria saúde. Priorizar a Saúde, em todos os âmbitos, é imprescindível para tratar dos doentes atuais. Basta de falta de médicos, teto desabando e boi invadindo hospitais.
Ao mesmo tempo, Educação e Saúde são áreas que exigem muita coragem dos políticos para reformá-las, pois as empreitadas são grandes e, certamente, não serão concluídas em apenas um mandato. Ou seja, a falta do chamado “retorno político” não estimula partidos ou políticos a encararem tais problemas. Você deve se lembrar do Lula, ainda presidente, dando uma bronca em Sérgio Cabral: “O dia que a imprensa pegar essa porra fechada, o prejuízo político é infinitamente maior” (sic), se referindo aos problemas da piscina no Complexo Manguinhos-RJ.
Enfim, enquanto existirem adiamentos descabidos que priorizam interesses dos políticos em detrimento aos da população, as doenças continuarão a matar mais do que qualquer outra razão.
Informar e educar já ajudaria muito, no entanto, vejo que o foco das notícias, infelizmente, continuará no sensacionalismo do pseudo-jornalismo vampiresco.

Considerando outras mortes, o Brasil gera um quadro que revela uma realidade inadmissíveis para o século 21, um retrato de guerra.
















* 16 delas com índices crescentes
** homicídio doloso, latrocínio e lesão corporal seguida de morte
*** morte no parto (mãe e/ou bebê) não foi considerada doença perinatal
**** sem incluir as mortes não oficializadas

Atualização após a postagem:
Assassinatos em 2012: 56.337 - (7) em 27/5/14
Totais: 763.637 e 766.137


Comparando

Diante desse quadro, pequenas e simples comparações chegam a assustar.
- A soma anual dos mortos é igual a 0,36 % da população, 200 milhões em 2013 (9). A população tem crescimento atual de 0,9 % (10), ou seja, mais de 1/3 do crescimento populacional morre anualmente.

- O total de mortes é quase igual à população do Amapá (8). Um “Amapá” morre por ano no Brasil!

- A soma anual de mortos no Brasil está próxima do número de poloneses mortos, por ano, durante a 2ª Guerra Mundial (11). Por falta ou má execução de políticas públicas, morre-se no Brasil (sem guerra) como se morria numa guerra mundial!

Outros índices mostram os paradoxos do Brasil:
PIB: 7º, em 2012 (13)
Mais inseguro: 11º, em 2012 (12)
IDH: 85º, em 2012, numa lista de 186 (16)
Roupa: a mais cara do mundo!!! (14 e 17 - trabalho escravo)

Como sugestão, veja o vídeo abaixo a partir de 3 min. e 34 seg.: Como criar um povo idiota.



É isso basicamente.
Abraço!

Fontes (abr/2014):
1 – http://www.terra.com.br 
2 - http://jovempan.uol.com.br
3 - http://www.estadao.com.br
4 - http://revistaepoca.globo.com
5 - http://www.bbc.co.uk
6 - http://noticias.terra.com.br
7 - http://veja.abril.com.br
8 - https://pt.wikipedia.org
9 - http://www.estadao.com.br
10 - https://www.google.com (busca por “população atual do brasil”)
11 - https://pt.wikipedia.org/wiki/Anexo:Mortos_na_Segunda_Guerra_Mundial
12 - http://g1.globo.com
13 - http://br.advfn.com
14 - http://economia.estadao.com.br
15 - http://www.alagoastempo.com.br
16 - http://noticias.uol.com.br
17 - http://tvcultura.cmais.com.br/jornaldacultura

Desconhecimento linguístico, manipulação discursiva ou os dois?

A discussão sobre educação, em torno do livro Por Uma Vida Melhor, gerou vários comentários sobre o ensino da língua e sobre o próprio livro. No entanto, cabe ainda um olhar atencioso sobre o discurso indutivo da apresentadora do programa Entre Aspas.


A falta de conhecimento da moderadora provoca risos nos convidados e quase provocou uma confusão logo no início da entrevista. Esse desconhecimento acaba trazendo mais problemas sociais do que soluções, pois possibilita a veiculação de informações errôneas e distorcidas através da televisão.

O caso em torno do livro didático da Heloísa Ramos não gerou controvérsia, mas uma oportunidade para se reforçar a intolerância de alguns articuladores quanto às diversidades linguísticas.

A apresentadora inicia o programa transmitindo algumas poucas informações, escolhidas a dedo, como quem aborda o ponto principal da discussão sobre a área da Educação e, em seguida, julga os dados apresentados de maneira claramente tendenciosa, como se ela fosse a detentora da verdade. Encerra a introdução como se o que acabou de falar fosse um retrato fiel da atual realidade da Educação. Ou seja, elaborou um discurso para difamar a situação dos alunos e, ao mesmo tempo, defender e reforçar suas limitações sobre linguística e práticas de ensino.

Ela ainda se apoia na visão ultrapassada de que se deve preparar os estudantes para um fim específico (mercado de trabalho, ENEM ou vestibular). Os estudantes precisam de muito mais, precisam aprender a ler, entender, discernir, julgar e escolher em qualquer âmbito ou momento da vida. Algo muito além do ensino de gramática.
"A função da escola é ensinar às crianças como o mundo é." - Hannah Arendt

Considerando-se a ideia extremista do certo x errado, fortemente defendida pela moderadora, poderemos perceber que ela comete vários erros, que o feitiço se vira contra a feiticeira.

Um erro é dizer que o livro gerou polêmica. Na realidade, o livro traz informações sobre como ensinar as variedades linguísticas existentes no Brasil. Quem gerou polêmica foram as pessoas leigas em linguística, que não sabem o que é variedade linguística, não lecionam, mas vivem da venda de manchetes baratas e não têm coragem de convidar um especialista para o debate, isto é, um linguista. Precisamos de um jornalismo que traga esclarecimento ao invés de criar confusão.

Outro erro é alegar que o livro define a maneira certa ou errada da língua falada. Uma total falta de conhecimento sobre a publicação. O livro propõe como explicar a variedade linguística para alunos do EJA (Ensino para Jovens e Adultos), sem descartar o ensino da norma padrão, que é uma dessas variedades.

A apresentadora tenta por em dúvida a fala da autora do livro ao insinuar algo como "o que a autora chama de preconceito linguístico". A autora esclarece a existência de um tipo de preconceito e que ele poderá ser manifestado contra os alunos. O preconceito linguístico existe faz tempo, é discriminar alguém por falar desse ou daquele modo sem se considerar o contexto do discurso, um completo desrespeito pelas diferenças.

Em seguida, ela destaca o óbvio: "ninguém fala o tempo todo segundo a regra culta". Isso evidencia que todo mundo erra, inclusive a própria anfitriã, que se revela leiga e, sistematicamente, resistente ao conceito de variedades linguísticas. Esse destaque indica que a ideia de erro deve ser discutida, pois envolve a fala de todos nós.

A falta de conhecimento da apresentadora sugere algo que beira o absurdo: "se a escola deve aceitar outras variantes da língua indiferente à regra gramatical".
Nessa fala, o termo é variedade e não variante linguística. Ela errou de novo.
Além do termo gramatical estar mal empregado, não existe variedade de uma língua que fuja da gramática.

Questionar se a escola deve aceitar outras variedades é pregar a intolerância justamente no ambiente em que se deve discutir as diferenças. Não é função da escola julgar ou rejeitar os diversos falares, cabe a ela reconhecê-los e explicá-los para que, entre outras razões, não se pratique e nem sofra preconceito linguístico.
Nenhuma língua aceita a falta de regras, pois sua falta é a ausência de um dos elementos básicos. Uma língua se compõe, grosso modo, da gramática (conjunto de regras), do léxico (conjunto de palavras), da interação (quem, com quem, onde, quando) e de gêneros (formas de se falar e escrever: conversa, audição; jornal, revista etc.). Ensinar gramática é ensinar só uma parte da língua.

Mais adiante, ela se inclui no grupo dos pecadores "...driblamos as normas, comemos os esses e desprezamos a conjugação dos verbos...". Mais uma confirmação de que ela também erra.
Ela também solta um "gramática agonizante". O que é isso? A língua é viva pelo fato de se transformar constantemente.

Afirma do nada que a "língua escrita para ser compreendida não aceita falta de regras".
Sabemos que a compreensão de um texto não é inflexível assim, pois para aprendermos a ler e escrever sempre cometemos alguns deslizes diante da referência adotada e caberá ao leitor ou professor considerá-los. E, óbvio, deixa de ser língua se faltar regra.

Questiona se é possível escrever direito sem falar em bom português.
Claro que é possível, pois bom é juízo de valor! E valores sempre podem ser questionados. Além disso, são duas linguagens distintas com empregos distintos.
Precisa ficar claro que, segundo o livro, o aluno vai aprender o que ela chama de bom português, a norma padrão, e vai aprender também sobre variedade linguística. O estudante será capaz de identificar a sua própria variedade e se reconhecerá como sujeito da sua comunidade. O fato de se falar uma variedade da língua não impede o estudante de aprender a falar e/ou escrever outra. De fato, quanto mais variedades um falante souber, mais competente ele se torna. Evanildo Bechara, autor da Moderna Gramática Portuguesa e membro da Academia Brasileira de Letras, define isso como ser poliglota na própria língua.

A adequação da fala ocorre cotidianamente: um pai fala com o filho, com a esposa e com o pediatra, por exemplo, se utilizando de três maneiras diferentes. É fácil de entender: terno e gravata numa reunião de negócios, pijama para dormir e sunga na praia. Portanto, não é uma questão de se falar ou escrever de maneira certa ou errada, como a apresentadora insiste em reforçar ao longo de todo programa, mas de uma questão de adequação. Ou seja, na escola deve-se aprender a falar e, principalmente, escrever baseado na norma padrão e, fora dela, devemos nos adequar a cada situação.

Quanto ao poeta Fernando Pessoa, patriota é quem manifesta amor pela pátria! Vários brasileiros, analfabetos ou não, são patriotas. Seria mais adequado dizer que quem manifesta amor à língua são os literatos e os linguistas. E por que não os falantes? No poema citado, e em tantos outros, se utiliza a linguagem poética e ela permite várias interpretações. O poema não explica nada, ele pede o envolvimento do leitor para que este descubra a sua poesia.
Será que o poeta declara seu ódio à "ortografia errada" ou chega a fingir que é dor?
Ilustríssima mediadora, não existe ortografia errada, pois orto significa certo. Existe erro de grafia ou grafia errada. Creio que Pessoa já sabia disso e vejo que você errou mais uma vez.

Se uma pessoa gosta da ideia de julgar de forma extremista e inflexível, baseando-se no certo x errado, deve admitir ser julgada da mesma maneira. Assim sendo, qual é a autorização que essa apresentadora se dá para cometer erros e, mesmo assim, se sentir juíza da fala alheia. Popularmente se diz: O roto falando do rasgado.

Aproveitando o momento de citações, invoco Luís de Camões (XVI), que se utilizou da mesóclise quando escreveu o Canto I, de Os Lusíadas, uma colocação pronominal impraticável hoje, na fala principalmente: "Dar-te-ei, Senhor ilustre, relação". Ele empregou termos considerados arcaísmos hoje em dia: "Nas cousas de que tem notícia e fama". Além de alembrar, ajuntar, alumia e amostrando. A língua se transforma de verdade.
Invoco também José Saramago (XX), que escreveu Ensaio sobre a Cegueira com uma pontuação extremamente diferenciada, com poucos pontos e muitas vírgulas.
Insisto: a língua se transforma de verdade.

Outro questionamento muito estranho, quiçá um devaneio, é sobre a invenção de palavras. Sabemos que não existe uma nascente mágica fornecedora de palavras para cada nova necessidade. Qual palavra não foi inventada?
Tucanada, por exemplo, é uma invenção (criação/neologismo) recente que ela usa num momento áspero da conversa. Mas não parou para pensar sobre.
Inventar palavras ou novos significados para as já existentes faz parte da história de uma língua.

Julgar é sempre delicado, pois nos coloca no mesmo caldeirão. No entanto, para enquadrarmos uma fala como correta ou incorreta é necessário existir um parâmetro, pois não existe uma verdade absoluta e indiscutível que julgue fala e escrita de cada pessoa.
A moderadora deixa nítida a marca de oralidade a gente. Expressão que, certamente, não é adotada em textos jornalísticos.
Na escola, a referência é a norma padrão e o livro de gramática normativa, na TV ou jornal, a referência é a variedade jornalística e o manual de redação do patrão. Isto é, precisamos nos adequar sempre.

Enfim, são muitos erros proferidos por uma apresentadora preocupada em destacar os erros alheios. Será que os erros dela são "menos errados"?

Creio que essa ideia de certo x errado precisa ser eliminada. O escritor Marcelino Freire foi muito feliz ao citar Sérgio Vaz, poeta e agitador cultural da periferia de São Paulo. Sérgio é comprometido com a dignidade e a autoestima das pessoas que vivem na periferia, se preocupa em esclarecer o que é cidadania entre os que são excluídos.

Daí em diante, a entrevista fala por si e os convidados se divertem com a "anfitriã".

Em tempo, vale destacar que o MEC orienta a abordagem do preconceito linguístico em sala de aula desde 2000, através dos PCNs. E que existem vários grupos de estudo linguístico no Brasil, como o GEL, GELNE, GELOPA. O GEL já tem mais de 40 anos.

Muito pior do que falar ou escrever de maneira diferente da norma padrão é transmitir, pela TV, discursos preconceituosos e excludentes cuidadosamente elaborados, pois a TV não presta um serviço democrático (se é que esse papel cabe a ela), ela não permite o telespectador (ou acusado) se manifestar em sua defesa no mesmo canal, horário e nem durante o mesmo tempo, isso beira a covardia.

As indicações a seguir complementam essa discussão:
O Museu da Língua Portuguesa montou uma exposição que aborda o tema variedade linguística. Existe também um vídeo apresentado pelos organizadores da exposição.
Veja aqui dois especialistas renomados: José Luiz Fiorin e Ataliba Castilho.
Esse outro aborda a comunicação oral.
E essa videoaula fala sobre níveis de linguagem e suas adequações.
Após esta postagem, a TV Câmara realizou uma outra entrevista e a Univesp TV também (ver no Youtube). Ambas merecem estar aqui.

Abraço e sucesso!
CALOUROS FAZEM "APAGA-AÇÃO" DE LIVROS RABISCADOS EM TROTE SOLIDÁRIO
"É importante alertá-los de que o livro é patrimônio público e não deve ser estragado."
(mais)

LEI TORNA OBRIGATÓRIO O ENSINO DE MÚSICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA
Para Keith Swanwick, é fundamental unir atividades de execução, apreciação e criação para que os alunos se desenvolvam artisticamente.
(mais)

QUASE 50% DOS PROFESSORES BRASILEIROS APRESENTAM SINTOMAS DE ESTRESSE OU DEPRESSÃO
Os mais jovens são os que têm mais dificuldade para lidar com os problemas da profissão; muitos optam por abandonar o ofício (mais)

DECLARADA A ANISTIA AO EDUCADOR PAULO FREIRE, COM PEDIDO DE PERDÃO
“Esse pedido de perdão se estende a cada brasileiro que, ainda hoje, não sabe ler sua própria língua” (mais)

ÉTICA - Dessa vez ela vem pela prática da liberdade (na postagem abaixo, pela mente). Assisti apenas ao trecho final do primeiro programa e gostei muito. É muito bom ver a relação de tal conceito com o nosso cotidiano. (mais)

"É DIFÍCIL FAZER O CERTO SE ISSO CONTRARIA OS NOSSOS INTERESSES"
Howard Gardner balançou as bases da Educação ao defender a teoria das inteligências múltiplas. Atualmente, ele nos apresenta o conceito de cinco mentes para o futuro, entre as quais a ética se destaca. (mais)

ESCOLA PÚBLICA NÃO É LUGAR DE RELIGIÃO
Com a interferência do Vaticano, "o documento assinado [...] prevê vários privilégios para a Igreja Católica", além de contrariar os artigos 19 e 210 da Constituição e o 33 da LDB. (mais)

ESCRITORES PROTESTAM CONTRA ACORDO ORTOGRÁFICO NA FLIP
Os autores angolano Ondjaki e brasileiro Marcelino Freire acusaram o acordo de atender a interesses comerciais. (mais)

FLIP COMEÇA NA QUARTA-FEIRA, 01/07/2009
Em dívida com a poesia, a Festa Literária Internacional de Paraty - FLIP - começa homenageando o poeta pernambucano Manuel Bandeira. (mais)

NÃO HÁ UMA RECEITA NO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA A intenção é eliminar a atual divisão do conteúdo em 12 disciplinas no ensino médio e criar quatro grupos mais amplos. (mais)

UNESCO LANÇA BIBLIOTECA MUNDIAL DIGITAL A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura lança nesta terça-feira (21/04) a Biblioteca Digital Mundial, que permitirá consultar gratuitamente pela internet o acervo de grandes bibliotecas e instituições culturais de inúmeros países, entre eles o Brasil. (mais)

ENTREVISTA COM CRISTOVAM BUARQUE
Não existe futuro sem Educação. O Brasil é uma república e todos têm os mesmos direitos, não existe isso de alguns terem Educação de qualidade e outros estarem privados disso, a igualdade tem de prevalecer. (mais)


"SOFTWARE LIVRE: FIREFOX ULTRAPASSA INTERNET EXPLORER NA EUROPA." Na semana passada a Microsoft perdeu, pela primeira vez em anos, a liderança do mercado europeu de navegadores. (mais)

"DEZ PASSOS RUMO À QUALIDADE." O Portal AMANHÃ dá início a uma série de reportagens que abordarão os desafios que o Brasil precisará enfrentar para proporcionar a suas crianças e adolescentes uma educação básica.
(mais)

"A EXCLUSÃO E A INCLUSÃO DE ALUNOS."
A escola tem sido um excelente meio de contribuir com a exclusão do cidadão no mercado de trabalho quando aprova alunos que não aprenderam o que tinham que aprender. (mais)

"EDUCAÇÃO NO BRASIL. QUAL A SITUAÇÃO ATUAL E OS RUMOS PARA O PAÍS?" Este é mais um especial produzido pela Radioagência NP. Esta nova série aborda temas relacionados à educação no Brasil. (mais)

"O PROFESSOR HOJE É RESPONSABILIZADO POR TODOS OS problemas da educação e carrega 'uma forte carga sob os ombros'. 'Existe uma política hoje de encontrar um culpado para tudo e esse dedo está apontado para o professor. Geralmente quem faz isso são os governos, falta eles olharem para si próprios', defende." (mais)

BIENAL DO LIVRO COMEMORA AUMENTO NO NÚMERO DE LEITORES
Com público esperado de 800 mil visitantes, a 20ª edição da Bienal Internacional do Livro de São Paulo começa e celebra o aumento no número de leitores. (mais)

JOÃO UBALDO RIBEIRO VENCE EDIÇÃO 2008 DO PRÊMIO CAMÕES
O escritor é o vencedor do Prêmio Camões 2008, a mais importante homenagem atribuída a autores de língua portuguesa. (mais)

LULA QUER UniCPLP FUNCIONANDO EM 2010, DIZ AMORIM
O presidente Lula está muito entusiasmado com a idéia de se criar uma universidade voltada para os países lusófonos. (mais)

945 MUNICÍPIOS PERDEM VERBA DE TRANSPORTE ESCOLAR
Crianças que moram na zona rural de 945 municípios podem ficar sem transporte para ir à escola. (mais)

SENADO APROVA SOCIOLOGIA E FILOSOFIA NO ENSINO MÉDIO
O Senado aprovou em 08/05 o projeto de lei que inclui filosofia e sociologia como disciplinas obrigatórias... (mais)

MPF DENUNCIA REITOR DA UNB POR IMPROBIDADE
As denúncias contra o reitor da Universidade de Brasília, Timothy Mulholland, foram parar na Justiça Federal... (mais / ouça)

ZIRALDO E JAGUAR SERÃO INDENIZADOS POR PERÍODO MILITAR
"Aos que estão criticando, falando em bolsa-ditadura, estou me lixando. Esses críticos não tiveram a coragem de..." (mais)

GILBERTO DIMENSTEIN - CAPITAL HUMANO
Estímulo à leitura e assuntos do cotidiano em sala de aula são características das melhores escolas... (ouça
)

INVENTÁRIO QUER VALORIZAR DIVERSIDADE LINGÜÍSTICA NO BRASIL
O Brasil começa a ter consciência de sua diversidade lingüística e a reconhecer que o português não é único idioma falado no país... (mais)

OS DESAFIOS DO ENSINO DE PORTUGUÊS NO BRASIL
Basta entrar em qualquer sala de aula, de qualquer série em qualquer estado para constatar que a língua não é tão única assim... (mais).
.
HISTÓRIA DOS ÍNDIOS SERÁ OBRIGATÓRIA EM TODAS AS ESCOLAS Optimized Cable Company
Obrigatoriedade foi publicada em lei sancionada nesta terça-feira (18/03) pelo presidente... (mais)

.